tera, 15 de outubro de 2019. 18:02
<div class='trigger trigger_error'><b>Erro na Linha: #30 ::</b> Undefined variable: Pos<br><small>/home/serjaobl/public_html/themes/serjao_blog2/artigo.php</small><span class='ajax_close'></span></div>

Aos 61 anos, mulher dá à luz neta para seu filho gay

2019-04-04 08:20:00, Por: Sergio Marcos

Aos 61 anos, mulher dá à luz neta para seu filho gay

Mulher dá à luz neta

Casados desde 2015, Matthew Eledge e Elliot Dougherty contaram com a participação de duas mulheres da família para trazerem ao mundo Uma Louise Dougherty-Eledge, primeira filha do casal.

O óvulo foi doado pela irmã de Elliot, Lea Yribe, e fecundado com o esperma de Matthew. A mãe de Matthew, Cecile Reynek Eledge, de 61 anos, foi a responsável por carregar a menina durante os nove meses de gestação. A garota nasceu saudável no dia 25 de março em Nebraska, nos Estados Unidos.

“Quando você é um gay casado que quer ter um filho, você procura por isso sabendo que terá que criar uma família de um jeito especial. Há jeitos criativos e únicos de se construir uma família”, declarou Matthew à “CNN”.

A primeira vez que o casal falou com a família sobre o desejo de ter um bebê, Cecile se ofereceu logo de cara para carregar a criança. No início, acharam que ela não estava falando sério, mas levaram o assunto aos médicos especialistas em reprodução assistida, que concordaram com a sugestão.

Os hábitos saudáveis de Celile, além de uma bateria de exames ajudaram a tornar possível a gravidez.

O processo pode não ser tão simples, mas no caso de Cecile, tudo correu bem desde o início. Ela engravidou depois de sua primeira transferência de embrião e teve um parto normal. “Entrei nessa jornada sem nenhuma complicação”, comemorou a avó em entrevista ao “BuzzFeed”.

A ajuda de toda a família fez com que o casal economizasse uma bela quantia em dinheiro, já que o processo realizado em clínicas pode custar 40 mil dólares, cerca de R$ 155 mil. “Acho triste a fertilização in vitro ser exclusiva para aqueles que podem pagar. E para casais gays, é um desafio ainda maior. Esse foi o jeito mais barato que poderíamos ter encontrado”, diz Matthew.

Além disso, Matthew e Elliot ficaram ainda mais felizes com o fato de terem uma ligação de sangue mais forte com a filha.

Aos 61 anos, mulher dá à luz neta para seu filho gay

Mulher dá à luz neta

Cecile costumava dizer que não queria mais ter filhos depois dos trinta, mas acabou mudando de ideia pelo filho. “Tive os mesmos sintoma das duas primeiras gestações. O mesmo enjoo matinal, que durou mais tempo. Tive falta de ar. Mas trabalhei fora, andei e estava fisicamente ativa. E, na verdade, foi quase mais fácil”.

A experiência, claro, trouxe muitos julgamento. “As pessoas estavam genuinamente curiosas. Elas até faziam perguntas sobre incesto. Mas isso é tão novo e tão único. As pessoas não entenderam no começo, mas quando entenderam, demonstraram apoio – elas acham que é radical e surpreendente. Todos se sentiram muito inspirados pela minha mãe”, diz Matthew.

A única parte decepcionante é que o nome de Elliot não estará presente na certidão de Uma.

“É meio embaraçoso. Minha mãe e eu somos legalmente pais de Uma. Nebraska exige que o doador de esperma seja o pai e a pessoa que dá à luz o bebê seja a ‘mãe’, mesmo que ela não seja biologicamente relacionada à criança. Isso parece realmente assustador para nós. Achei que Elliot pudesse colocar seu nome na certidão de nascimento, pelo menos simbolicamente, mas eles nem sequer ofereceram isso. Ele agora precisa passar por um processo de adoção para obter quaisquer direitos legais. Vou morrer se Elliot não tiver absolutamente nenhuma custódia legal de nossa filha”.

CTR Craíbas