quarta, 13 de novembro de 2019. 23:49
<div class='trigger trigger_error'><b>Erro na Linha: #30 ::</b> Undefined variable: Pos<br><small>/home/serjaobl/public_html/themes/serjao_blog2/artigo.php</small><span class='ajax_close'></span></div>

Arapiraca 95 Anos: Pequeno Comércio Agricultura de Subsistência eram principais características pós emancipação

2019-10-19 09:27:00, Por: Sergio Marcos

Arapiraca 95 Anos: Pequeno Comércio Agricultura de Subsistência eram principais características pós emancipação

Foto: Divulgação

Até a década de 50, a cidade de Arapiraca ainda não tinha iniciado seu processo de desenvolvimento econômico e a agricultura de subsistência era a principal característica do povo, que produzia seus próprios alimentos e vendia as sobras.

Arapiraca 95 Anos: Pequeno Comércio Agricultura de Subsistência eram principais características pós emancipação

Foto: Divulgaçãp

Dentre as culturas mais predominantes da época estava a macaxeira, que era matéria-prima da macasada, beiju, e pé de moleque produzidos pelas mulheres do sítio Mata Limpa. Já pensou se a cultura tivesse se desenvolvido ao ponto de transformar Arapiraca como Capital Brasileira da Macaxeira invés de Capital Brasileira do Fumo?

Arapiraca hoje é conhecida pelo seu comércio forte e foi a partir da agricultura de subsistência que todo o processo foi iniciado. De acordo com o historiador e escritor Zezito Guedes, em seu livro Arapiraca através do tempo, a cidade era mais povo e produzia aquilo que consumia.

“(…) tínhamos a coalhada escorrida que a velha Cipriana fazia no capricho numa panela de barro, no Sítio Lagoa da Pedra, e vendia pelas ruas de Arapiraca. As margaridas, umas pretas lavadeiras, vinham duas vezes por semana buscar roupas para lavar e trazer ervas, cascas e raízes para vender nas portas das casas”, diz trecho do livro do historiador, publicado em 1999.

Ainda segundo Zezito Guedes, outros serviços artesanais eram desenvolvidos na Arapiraca pós emancipação.

“(…) O velho Camilo, do Sítio Fernandes, fazia cachimbos de barro em quantidade, para abastecer os vendedores na feira de Arapiraca, onde era muito conhecido pela qualidade do produto (…). Dona Maria Nobre ganhava seu dinheiro tinturando roupa do povo que botava luto e usava uma lama preta que existia no Poço Frio à margem do Rio Perucaba (…), diz outro trecho.

Arapiraca 95 Anos: Pequeno Comércio Agricultura de Subsistência eram principais características pós emancipação

Foto: Divulgação

A cultura do fumo, que levou Arapiraca a se tornar conhecida internacionalmente, só teve seu processo de desenvolvimento iniciado a partir da década de 50, quando o produto se tornou para o Agreste alagoano o que o café representou para o Brasil durante muitos anos.

A fumicultura surgiu em Arapiraca como rompimento da tradição latifundiária do estado, se mostrando alternativa para o povo da região.

CTR Craíbas