segunda, 27 de maio de 2019. 00:16
<div class='trigger trigger_error'><b>Erro na Linha: #30 ::</b> Undefined variable: Pos<br><small>/home/serjaobl/public_html/themes/serjao_blog2/artigo.php</small><span class='ajax_close'></span></div>

Brasken: Danos da extração do Sal Gema revelados no laudo da CPRM podem caracterizar crimes, diz Flávio Moreno

2019-05-09 22:34:00, Por: Sergio Marcos

Brasken: Danos da extração do Sal Gema revelados no laudo da CPRM podem caracterizar crimes, diz Flávio Moreno

Foto : Divulgação 

A continuidade da extração do Sal Gema e atividades da Brasken podem caracterizar a prática de crime permanente. Ela não paralisa suas atividades à toa. Ela pode incorrer no risco de prática de crime permanente.
Se a situação não fosse grave, não estariam parando as atividades, conforme anunciou a Brasken, hoje em nota. A situação é grave. São dezenas de milhares de famílias em risco, diz Flávio Moreno, presidente do PSL Alagoas.

A indenização aos moradores é necessária. Além, de transformação da indústria na orla de Maceió em um complexo de hotéis e náutico. O maior atrativo de Maceió é o turismo. Isso, geraria muito mais empregos e recursos para Maceió que a Brasken.

Desde janeiro, peço a paralisação das atividades da Brasken e sua retirada da orla de Maceió.

Ontem (8), o laudo da CPRM responsabilizou a mineração pelos problemas enfrentados nos bairros Pinheiro e adjacentes, ou seja, que atingem mais de 30 mil famílias. Incentivar a continuidade das atividades da Brasken na orla de Maceió é incentivar o mal feito, relatado em laudo técnico da CPRM.

Diante da gravidade da situação e risco real, houve um pouco de bom senso, embora tardio da Brasken.

São 40 anos de exploração com controle e fiscalização remotos. Razão de ser multada depois da conclusão do laudo.

A ida para Marechal é uma alternativa, mas a extração do Sal Gema se tornou inviável, além do risco do cloro e gás na área urbana de Maceió. Lembrando que em 2011, houve vazamento e mais de 130 moradores do Pontal da Barra foram intoxicados e pararam no HGE. Uma explosão de armazenamento ali, atinge muito mais pessoas que um desastre no Pinheiro e região.

Precisamos criar outras alternativas para o setor, a situação é séria, talvez até mais que alguns pensam, o laudo e algumas perguntas ainda não foram respondidas.

A recuperação das áreas atingidas, existe engenharia, tecnologia e peritos capazes, tenho conversado com alguns.

O laudo da CPRM caracteriza além do dano, possíveis crimes ambientais.
Até a Brasken pode participar desses novos empreendimentos hoteleiros e náuticos.

É hora do bom senso, são dezenas de milhares de vidas em risco.

CTR Craíbas