tera, 25 de junho de 2019. 06:26
<div class='trigger trigger_error'><b>Erro na Linha: #30 ::</b> Undefined variable: Pos<br><small>/home/serjaobl/public_html/themes/serjao_blog2/artigo.php</small><span class='ajax_close'></span></div>

Cabeleireira das famosas é chamada de racista

2019-06-11 16:11:00, Por: Sergio Marcos

Cabeleireira das famosas é chamada de racista

Foto: Divulgação

Eliana Martins é conhecida por fazer a cabeça de famosas. A especialista em mega hair já cuidou das extensões de Marília Mendonça, Simone, da dupla com Simaria, e da ex-BBB Hariany Almeida. Na última segunda-feira (10), no entanto, a cabeleireira chamou a atenção ao se envolver em uma polêmica.

Dona de um salão de beleza em Goiânia, Eliana participou de uma palestra para falar sobre a sua trajetória como empresária, mas nem tudo acabou bem. Ao listar as dificuldades que enfrentou para ser considerada uma especialista em sua área, a moça fez uma declaração pesada e passou a ser chamada de racista.

“Não tinha dinheiro para pagar a faculdade, pobreza total. Naquela época, 16 anos atrás, quem tinha mega? Preto, feio, fedido e pobre. Falei 'não'. É isso que vou fazer da minha vida, quero colocar peruca no povo. No começo era trabalho escravo porque tinha que ficar seis, sete horas em uma cabeça”, disse ela.

O vídeo com a afirmação foi publicado no Instagram da própria cabeleireira, que apagou o registro ao notar que já contava com mais de 2 mil comentários negativos. Para muitos, Eliana mostrou que é racista ao dizer “preto, feio, fedido e pobre”. A empresária, porém, usou as redes sociais para rebater as acusações.

“Me expressei mal, sim. Infelizmente, o vídeo viralizou, mas quis dizer para aquele pessoal que estava lá nunca desistir dos seus sonhos. Nós temos que acreditar nos nossos sonhos”, iniciou ela.

“Na época, quando falei que queria me especializar em mega hair, muitos falaram que isso não dá dinheiro, que é coisa de pessoas de baixa renda, que quem usava era negro. Sempre disse que não tinha problema, que era minha paixão”, continuou.

Ainda segundo Eliana, há 16 anos a sociedade pensava de maneira diferente e falava de forma agressiva. Em seu discurso, a tentativa foi apenas de reproduzir o que ouvia no passado, mas acabou sendo mal interpretada.

“Me sentia muito ofendida e entendo que você que viu o vídeo se sentiu ofendido. É uma maneira muito ofensiva que falei. Aquilo era como eu escutava”, esclareceu.

CTR Craíbas