domingo, 16 de junho de 2019. 05:45
<div class='trigger trigger_error'><b>Erro na Linha: #30 ::</b> Undefined variable: Pos<br><small>/home/serjaobl/public_html/themes/serjao_blog2/artigo.php</small><span class='ajax_close'></span></div>

CASAL: Tarifa sobe acima da inflação

2019-06-11 08:47:00, Por: Sergio Marcos

CASAL: Tarifa da Casal sobe acima da inflação

Foto: Divulgação

A história se repete. A Companhia de Saneamento de Alagoas anunciou um novo reajuste nas tarifas cobradas dos consumidores de todo o Estado. E mais uma vez, acima da inflação.

O reajuste aprovado pela Agência Reguladora de Serviços de Alagoas (Arsal), com base na planilha de custos da Casal, será de 6,22% e é válida a partir de 6 de julho deste ano.

Com este reajuste, o valor cobrado pela companhia em Alagoas se consolida como o terceiro maior do Brasil.

Segundo a Casal, “o valor da tarifa mínima para um consumo residencial de até 10 metros cúbicos por mês – suficiente para abastecer uma família com até quatro pessoas – vai passar dos atuais R$ 46,80 para R$ 49,71”.

O problema, em Alagoas, é que quem consome menos paga mais. O consumidor pagará 10 m3 mesmo que consuma 2 m3 ou m3. E pagará em dobre se a residência for ligada no sistema de esgoto da companhia.

Quem consome mais, também paga mais. Na tarifa atual, o excedente (consumo acima de 10 m3) paga quase o dobro. Nesse caso a tarifa sobe para R$ 89,40. E com o reajuste salta para R$ 94,9. Valor que será pago em dobro se o imóvel do consumidor estiver interligado na rede de saneamento.

Embora não tenha divulgado em seu site, o novo reajuste também afeta os consumidores comerciais e industriais, que tem tarifas bem mais caras em Alagoas. Atualmente a tarifa comercial mínima é de R$ 108,72 e vai saltar para R$ 115,48. A tarifa industrial, hoje em R$ 121,50 vai saltar para R$ 129,05.

Durante a gestão do governador Renan Filho, o reajuste de tarifas da Casal sempre ficou acima da inflação. O aumento aprovado este ano, que entra em vigor a partir do próximo dia 6 de julho não foge à regra. A Arsal aprovou uma reajuste de 6,22%, enquanto a inflação do ano anterior ficou em 3,75%.

A lógica tem sido a mesma desde 2015, no início do atual governo. Naquele ano o aumento foi de 15,27%, ante inflação de 6,4% em 2014. Em 2016, o reajuste foi de 16,5% contra uma inflação de 10,67% em 2015.

Já em 2017, o aumento da tarifa foi de 9,76% e a inflação do ano anterior 6,28%. Em 2018, o aumento da tarifa foi de 5,88% e a inflação do ano anterior 2,95%. Em 2019, o aumento da tarifa foi de 6,22% e a inflação do ano anterior 3,75%.

Somou? No acumulado (soma direta dos percentuais) os aumentos chegaram a 53,65% de 2015 a 2019, enquanto a inflação de 2014 a 2018 ficou em 30,05%.

Em outras palavras – ou números – o alagoano está pagando cada vez mais caro para ter água e esgoto da Casal.

Água da Casal vai ficar mais cara par ao consumidor a partir de 6 de julho de 2019

Terceira mais cara do Brasil

De acordo com o Ranking de Saneamento Básico 2018, do Instituto Trata Brasil, a tarifa de água cobrada dos consumidores de Maceió é maior entre todas as capitais e a terceira mais cara do Brasil no ranking das 100 maiores cidades do país. Maceió é a única cidade de Alagoas que aparece no ranking.

Os dados divulgados no ranking são relativos a 2016. A tarifa média era de R$ 5,83 por metro cúbico, abaixo apenas de dois municípios: Canoas (R$ 6,69) e Gravataí (R$ 6,55), ambas no Rio Grande do Sul.

Os demais municípios do estado atendidos pela Casal (são 77 cidades ao todo) pagam tarifas iguais à de Maceió, mas não aparecem no estado.

O ranking, que pode ser acessado na página do Instituto, revela ainda que a qualidade do serviço é inversamente proporcional ao preço.

Isso para, Maceió que tem a 3a maior tarifa é a 74a cidade em qualidade no ranking, que leva em consideração questões como tratamento de água e esgoto e a qualidade do serviço prestado ao consumidor.

Fonte: BLOGS/Edivaldo Junior

Veja também:

https://serjao.blog/artigo/casal-aumento-de-tarifa-e-desumano

 

 

CTR Craíbas