quinta, 23 de maio de 2019. 11:53
<div class='trigger trigger_error'><b>Erro na Linha: #30 ::</b> Undefined variable: Pos<br><small>/home/serjaobl/public_html/themes/serjao_blog2/artigo.php</small><span class='ajax_close'></span></div>

Com PSL em crise, clã Bolsonaro mira nova UDN

2019-02-18 08:48:00, Por: Sergio Marcos

Com PSL em crise, clã Bolsonaro mira nova UDN

Foto: Divulgação

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) se reuniu, na semana passada, em Brasília, com dirigentes da sigla UDN (União Democrática Nacional) na intenção de articular uma saída do clã Bolsonaro do PSL. O partido se vê envolto em uma crise desde que vieram à tona as suspeitas de desvio de verba pública por meio de candidaturas “laranjas” nas eleições de 2018. As informações são do jornal O Estado de São Paulo.

A nova UDN, uma reedição do partido de mesmo nome surgido em 1945 em oposição à ditadura de Getúlio Vargas, está em fase final de criação. A legenda tem divulgado seu projeto político de reunir figuras de destaque da direita nacional pautadas pelo liberalismo econômico e caráter nacionalista-conservador.

Três fontes ouvidas e citadas em sigilo na reportagem do jornal O Estado de São Paulo confirmaram a reunião de Eduardo e apontaram que o deputado tem urgência em levar adiante o projeto. Segundo elas, a família Bolsonaro pretende tirar seu capital eleitoral conquistado em 2018 da linha de tiro que atualmente visa o PSL. A mudança encabeçada por Eduardo teria, ainda segundo o jornal, apoio de seu irmão, o vereador Carlos Bolsonaro (PSL-RJ).

No início de fevereiro, o deputado estadual foi fortemente elogiado por Steve Bannon, ex-assessor do presidente americano Donald Trump, e declarado por ele como o representante na América do Sul do The Movement, grupo que reúne lideranças mundiais de perfis nacionalistas.

O projeto de migração para o novo partido é tratado com discrição no entorno do presidente Jair Bolsonaro. Por ser uma sigla nova, a legislação eleitoral autoriza a migração de políticos sem que eles corram o risco de perder seus mandatos por infidelidade partidária.

A NOVA UDN
Nas eleições de 2018, a UDN foi um dos partidos – embora ainda sem registro no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) – cogitados para abrigar Jair Bolsonaro, então candidato à presidência.

Marcus Alves de Souza, dirigente da UDN, revelou ao jornal O Estado de São Paulo que a legenda já reuniu 380 mil assinaturas – são necessárias 497 mil para a homologação da legenda. O partido já possui CNPJ e diretórios em nove Estados, como exige a legislação eleitoral para a homologação.

A assessoria do Palácio do Planalto informou ao jornal O Estado de São Paulo que não iria se manifestar sobre o assunto. As assessorias do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), do deputado Eduardo Bolsonaro e do vereador Carlos Bolsonaro também não se pronunciaram.

CTR Craíbas