segunda, 18 de maro de 2019. 16:18
<div class='trigger trigger_error'><b>Erro na Linha: #30 ::</b> Undefined variable: Pos<br><small>/home/serjaobl/public_html/themes/serjao_blog2/artigo.php</small><span class='ajax_close'></span></div>

Exames atestam que agressor de paisagista não tem problemas psiquiátricos

2019-02-28 07:46:00, Por: Sergio Marcos

Exames atestam que agressor de paisagista não tem problemas psiquiátricos

Vinícius Serra será transferido para uma unidade prisional normal após exames atestarem que ele não possui problemas psiquiátricos

O estudante de Direito Vinícius Serra, 27, recebeu alta do Hospital Penal Psiquiátrico Roberto de Medeiros, no Rio, nesta quarta-feira (27), após exames constataram que o acusado não possui problemas psiquiátricos como alegado pela defesa dele. As informações são do jornal Extra.

Vinícius está preso preventivamente acusado de espancar brutalmente por 4 horas a paisagista Elaine Caparroz, de 55 anos, no apartamento dela na Barra da Tijuca, no último dia 17.

Laudos atestaram a estabilidade e sanidade mental do estudante, segundo nota enviada pela Seap (Secretaria de Estado de Administração Penitenciária) ao Extra, e que, por isso, ele será transferido par uma unidade prisional normal.

Em depoimento à polícia logo após ser preso, Vinicius alegou à polícia que teve um surto psicótico após tomar vinho e dormir na casa de Elaine. A defesa de Vinicius chegou a apresentar documentos de 2016 que comprovariam a falta de sanidade mental, mas o juiz Alex Quaresma afirmou que tais documentos “não era suficientes para atestar a inimputabilidade ou semi-imputabilidade do custodiado”.

Ele responderá por tentativa de feminicídio.

CORPO DELITO
Elaine foi submetida na tarde desta quarta-feira ao exame de corpo de delito, no IML (Instituto Médico-Legal), no Centro do Rio, para formalizar as provas técnicas das lesões causadas por Vinícius.

A vítima afirmou que acredita ter sido dopada pelo agressor. Atualmente com 60 pontos na boca, um dente quebrado e inúmeras marcas no corpo, ela afirma ter começado a perder os sentidos após brindar com Vinícius.

RÉU
A Justiça do Rio aceitou, nesta quarta, denúncia do Ministério Público contra Vinícius, tornando-o réu.

A polícia investiga possível premeditação, já que Vinícius deu um nome diferente do seu ao se registrar na portaria de entrada do prédio. A polícia investiga também se ele já pensava em cometer o crime quando adicionou a paisagista nas redes sociais, no ano passado.

Na terça-feira (26), o juiz Alexandre Abrahão Dias Teixeira, da 3ª Vara Criminal do Rio, aceitou denúncia do Ministério Público. “Verifico pelas detalhadas declarações da vítima sobrevivente que o denunciado não poupou esforços para impingir-lhe demorada sessão de espancamento”, disse o magistrado.

O juiz também determinou que a vítima seja encaminhada a um projeto do Tribunal de Justiça para proteção de mulheres vítimas de violência doméstica. A iniciativa, chamada de Projeto Laranja/Violeta, permite acelerar a tramitação de medidas protetivas de urgência.

Com FolhaPress

RELEMBRE O CASO
A empresária foi encontrada desacordada dentro do próprio apartamento após vizinhos ouvirem gritos de socorro e chamarem o zelador. A vítima contou que conversou com o agressor durante 8 meses até marcarem um encontro.

Os dois dormiram e, segundo Elaine, ela acordou com socos desferidos por Vinícius, que ainda tentou dar uma “gravata” nela. A investigação apontou que, durante a agressão, Vinícius mordia a vítima, arrancava pedaços do corpo dela e, na sequência, cuspia.

Vinícius se identificou como “Felipe” ao porteiro, nome que ficou preenchido na folha de controle de entradas do condomínio, localizado na Zona Oeste do Rio. A informação foi passada pelo irmão da vítima, Rogério Peres, que teve acesso ao documento que registra as entradas no local.

Ele também ameaçou funcionários do prédio que foram pedir para que o casal parasse de brigar, segundo Rogério. “Entra então aqui para você ver o que acontece”, teria dito o agressor a um zelador.

A princípio, vizinhos acreditaram que tratava-se de uma confusão entre os dois, mas somente quando os gritos de socorro ficaram mais altos é que o porteiro foi chamado. Seguranças foram até o local e já encontraram a porta entreaberta e a mulher deitada em uma poça de sangue.

“Pegaram o Vinicius já na portaria, onde ele foi algemado pela polícia e preso em flagrante”, afirmou Rogério.

 

CTR Craíbas