sexta, 19 de abril de 2019. 01:37
<div class='trigger trigger_error'><b>Erro na Linha: #30 ::</b> Undefined variable: Pos<br><small>/home/serjaobl/public_html/themes/serjao_blog2/artigo.php</small><span class='ajax_close'></span></div>

Familiares veem negligência da empresa por saber de riscos da barragem

2019-02-02 10:51:00, Por: Sergio Marcos

Familiares veem negligência da empresa por saber de riscos da barragem

Foto: Divulgação

 "Descaso" e "negligência" é como parentes das vítimas em Brumadinho qualificam o fato de a Vale ter sido alertada, em plano de emergência feito em 2018, que a sede administrativa e o refeitório da mina do Córrego do Feijão estavam na rota da lama se a barreira se rompesse.

"Isso é negligência. Minha irmã não sabia do risco que estava correndo", diz Leo Ávila, 39, que nesta sexta foi outra vez a um centro montado pela mineradora para atender familiares em Brumadinho.

Leo reclama do fato de o refeitório ter sido construído logo abaixo da barragem. Após buscar em vão por notícias da irmã, Angélica Ávila, ele queria saber como obter cópia do relatório de emergência revelado pela Folha nesta sexta (1). O documento previa o risco.

Ex-funcionário terceirizado da mina, Carlos Pereira, 38, lamenta a morte de quem ignorava estar na rota da lama. Sua irmã, a auxiliar de cozinha Carla Pereira, 37, desapareceu. "Fui motorista de veículo grande, transportei lama, sei o peso. Imagina quem passava o dia cortando tomate. Não sabiam de nada".

No vilarejo de Córrego do Feijão, onde ficava a mina, quem não tem mais esperança se esconde em casa para chorar os mortos, enquanto as viaturas de polícia e bombeiros, ambulâncias, carros de reportagem e caminhões continuam a circular.

"Não é o sol, não é o calor. Ninguém está saindo de casa é por tristeza", diz Hilton Souza Ribeiro, dono da Mercearia Tote, no centro da vila.

Perto dali, no Centro Comunitário de Córrego do Feijão, se instalaram os comandos dos bombeiros e da polícia. No gramado ao redor estão barracas da defensoria pública, do registro civil e de psicólogos voluntários.

Alguns moradores, como a enfermeira Adriana Belo, 39, agora convivem com a sombra da tragédia evitável. Seu primo, o ajudante geral desaparecido André Luiz Carlos, 22, dizia que "mais dia menos dia a barragem iria ceder". Adriana agora questiona se o local do refeitório era adequado.

O porta-voz da Defensoria Pública mineira, que presta atendimento aos familiares das vítimas, diz que à primeira vista, o relatório mostra uma situação grave. "Isso deve ser investigado. Se havia previsibilidade de que havia esse risco e nada foi feito, é algo grave".

O sitiante Sebastião Felício Camelo, 70, diz que viu a avalanche de lama cobrir a paisagem. "Eu vi romper. Vinha o negócio correndo, a lama rugindo, quebrando... Eu tava no pasto e corri lá pra cima. Deitei e fiquei esperando. Não chegou em mim, mas chegou em todo mundo lá embaixo."

No alto do primeiro morro na saída da vila, o sítio de Sebastião virou base dos cinegrafistas e fotógrafos que registram a tragédia. A vila é pequena e, por estar no alto, não foi tomada pela lama. Mas acabou rodeada pela desolação.

As rotas de fuga no plano de emergência não deram conta de salvar todo mundo.

O auxiliar de manutenção José Silva Filho, 55, trabalhava na mina como terceirizado, passou por treinamento e diz que nada saiu como previsto. "Falaram que a sirene ia tocar meia hora antes de acontecer alguma coisa. Mas não tocou. Se tocasse dez minutos antes, estava todo mundo vivo."

Ele escapou subindo o morro, mato adentro. "Quem pegou a estrada de fuga morreu."
Comentários (4)Entre novamente para postar um comentário.

CTR Craíbas

Prefeito distribui peixes para o povo

2019-04-19 00:04:00, Por: Sergio Marcos

A Frigovale deseja feliz Páscoa

2019-04-18 16:52:00, Por: Sergio Marcos

Sr. João e Evandro felizes com o caminho da Fé

2019-04-18 13:42:00, Por: Sergio Marcos
Câmara de Vereadores de Craíbas
BioMed - Laboratório de Análises Clínicas
Odonto Med Sorriso