tera, 25 de junho de 2019. 06:26
<div class='trigger trigger_error'><b>Erro na Linha: #30 ::</b> Undefined variable: Pos<br><small>/home/serjaobl/public_html/themes/serjao_blog2/artigo.php</small><span class='ajax_close'></span></div>

Fraude fiscal na Capital por empresários e ex-funcionários

2019-06-11 16:54:00, Por: Sergio Marcos

Fraude fiscal na Capital por empresários e ex-funcionários

Foto:Divulgação

A Polícia Civil de Alagoas (PC) participou de uma operação do Grupo de Atuação Especial em Sonegação Fiscal e Lavagem de Bens (Gaesf), do Ministério Público Estadual de Alagoas (MPE/AL), realizada desde as primeiras horas da manhã desta terça-feira (11), onde foram presos três empresários e uma ex-funcionária de uma empresa que tem sede no bairro Tabuleiro do Martins, parte alta de Maceió.

Os quatro são acusados de fraude fiscal, com prejuízo aos cofres públicos que pode ultrapassar os R$ 4 milhões. Os mandados foram cumpridos nos bairros do Tabuleiro Novo, Levada e Antares, na Capital.

Segundo informações do MPE/AL, um dos empresários já responde a um processo por estelionato contra várias vítimas. Todos são acusados de integrar uma organização criminosa que emitia notas fiscais falsas por meio da Jormed Comércio LTDA – ME, entre os anos de 2017 e 2018.

Fraude fiscal na Capital por empresários e ex-funcionários

Foto:Divulgação

A Polícia Civil de Alagoas (PC) participou de uma operação do Grupo de Atuação Especial em Sonegação Fiscal e Lavagem de Bens (Gaesf), do Ministério Público Estadual de Alagoas (MPE/AL), realizada desde as primeiras horas da manhã desta terça-feira (11), onde foram presos três empresários e uma ex-funcionária de uma empresa que tem sede no bairro Tabuleiro do Martins, parte alta de Maceió.

Os quatro são acusados de fraude fiscal, com prejuízo aos cofres públicos que pode ultrapassar os R$ 4 milhões. Os mandados foram cumpridos nos bairros do Tabuleiro Novo, Levada e Antares, na Capital.

Segundo informações do MPE/AL, um dos empresários já responde a um processo por estelionato contra várias vítimas. Todos são acusados de integrar uma organização criminosa que emitia notas fiscais falsas por meio da Jormed Comércio LTDA – ME, entre os anos de 2017 e 2018.

CTR Craíbas