segunda, 09 de dezembro de 2019. 23:41
<div class='trigger trigger_error'><b>Erro na Linha: #30 ::</b> Undefined variable: Pos<br><small>/home/serjaobl/public_html/themes/serjao_blog2/artigo.php</small><span class='ajax_close'></span></div>

Hemorroidas: Doença deve atingir metade da população mundial

2019-12-01 00:53:00, Por: Sergio Marcos

Hemorroidas: Doença deve atingir metade da população mundial

Foto: Divulgação

Apesar de não haver estimativas sobre a incidência de casos de hemorroidas no Brasil, de acordo com Sociedade Brasileira de Coloproctologia acredita-se que cerca de metade da população mundial será afetada pela doença.

O número, que já é alto, deve aumentar nos próximos anos, especialmente por causa do estilo de vida. Alimentação rica em fibras, ingestão de água e atividade física são itens fundamentais para a redução do risco de dilatação e inflamação das veias do reto e ânus.

De tratamento simples quando identificada na fase inicial, a doença hemorroidária é a dilatação e inflamação das veias localizadas no ânus e reto. “O plexo hemorroidário é uma estrutura vascular altamente especializada que serve para ajudar no fechamento do ânus e auxiliar a condução das fezes através do ânus. Sabemos que idade é um dos fatores, uma vez que ela é mais frequente a partir dos 45 anos”, explica Sérgio Araújo, médico gastroenterologista do Hospital Israelita Brasileiro Albert Einstein. 

A constipação, diz o médico do Einstein, é um dos principais fatores que podem levar à doença. “A primeira conduta no tratamento consiste em um pilar de três ações que combatem a prisão de ventre: beber água, ingerir fibras e praticar exercícios. A boa notícia é que na maioria dos casos essas ações, quando viram rotina, são suficientes”, diz o gastroenterologista. Outros sinais indicativos de hemorroidas são: coceira provocada por inchaço das veias, dor ou sangramento no momento de evacuação decorrente do endurecimento das fezes e saliência palpável no ânus (pequenas bolinhas).

Contrariando a média, a aposentada Vera Alves Barbosa, hoje com 53 anos, descobriu que tem doença hemorrodária antes de completar 40 anos. “Ir ao banheiro sempre foi um problema para mim. A dor é terrível e as inflamações com sangramento estão se agravando no decorrer dos anos”, conta ela que demorou para procurar um médico. “A gente vai adiando porque não é um assunto confortável”, diz.

“Ao contrário do que a maioria das pessoas imagina, a dor só existe quando há uma complicação da doença hemorroidal, chamada trombose que é quando o sangue no interior desses vasos, como resultado do trauma produzido pela passagem das fezes, inflama e incha”, diz o médico do Einstein. Esses sintomas, ele continua, podem ser facilmente manejados pela equipe de saúde, de acordo com a avaliação do paciente. “As ações variam de banho de assento ao uso de anti-inflamatórios”, comenta.

Quando, o paciente já não responde a estes tratamentos, há outros procedimentos que podem ser feitos no consultório. Um deles é a ligadura elástica, que só pode ser feita em hemorroidas internas e consiste na colocação de um elástico na veia para seu “estrangulamento”, claro que com uso de analgésicos. “Com isso, ela diminui, murcha e cai”, diz Sérgio Araújo. 

Cirurgia é a última indicação e se impõe quando os outros tratamentos não tiveram o resultado esperado ou em casos mais graves da doença. “É, de fato, o tratamento mais eficaz, mas não deve ser oferecido a maioria dos pacientes, porque requer a anestesia, a internação, um pós-operatório que demora um pouco”.

(fonte: Agência Einstein)

CTR Craíbas