domingo, 08 de dezembro de 2019. 22:53
<div class='trigger trigger_error'><b>Erro na Linha: #30 ::</b> Undefined variable: Pos<br><small>/home/serjaobl/public_html/themes/serjao_blog2/artigo.php</small><span class='ajax_close'></span></div>

Ignorada durante horas na hora do parto, bebê nasce na cela

2019-08-30 16:51:00, Por: Sergio Marcos

Ignorada durante horas na hora do parto, bebê nasce na cela

Foto:Divulgação

Uma mulher em Denver, nos Estados Unidos, avançou com um processo em tribunal, acusando a cadeia em que estava detida de a ter ignorado "quatro a cinco horas" enquanto e encontrava em trabalho de parte.

O processo de que a BBC dá conta remonta a 31 de julho de 2018 e deu entrada em tribunal na quarta-feira e visa a própria cidade de Denver, dado que a cadeia se encontrava sob jurisdição da polícia local. Diana Sanchez, de 26 anos, tinha sido detida duas semanas antes, a 14 de julho, por roubos, quando estava grávida de oito meses.

Para além da cidade e o departamento médico, também seis profissionais de saúde estão acusados de "não terem cumprido o seu dever legal e moral".

No processo, a reclusa alega que alertou "oito vezes na manhã" do dia do parto que estava sofrer contrações.

Após as águas terem rebentado, uma enfermeira da cadeia não terá chamado a ambulância.

Só mais tarde, "quatro a cinco horas" após os seus gritos na cadeia terem deixado de ser ignorados, é que contou com acompanhamento médico. O momento de expulsão do parto, relata, ocorreu "num banco frio a poucos metros da casa de banho", na cela, sozinha. Só mais tarde chegou pessoal médico e foi transportada para o hospital. "Puseram a vida do meu filho em risco. Quando cheguei ao hospital disseram-me que podia ter sangrado até à morte", acusa.

Mas as acusações não ficam por aqui. O pessoal médico da cadeia que ajudou no parto é acusado de ter ignorado procedimentos básicos com o recém-nascido: "nenhuma das enfermeiras presentes secou ou aqueceu o bebé, limpou as mucosas do nariz e boca, administrou antibióticos, pesou ou mediu o bebé".

O inquérito interno da polícia determinou que todos os funcionários agiram "de forma apropriada". Ainda assim, optaram por mudar todas as regras, para garantir "que todas as reclusas grávidas em qualquer fase do trabalho de parto sejam transportadas de imediato para o hospital", destaca a BBC, que partilhou imagens de videovigilância que mostram a reclusa sozinha.

CTR Craíbas