sbado, 07 de dezembro de 2019. 02:00
<div class='trigger trigger_error'><b>Erro na Linha: #30 ::</b> Undefined variable: Pos<br><small>/home/serjaobl/public_html/themes/serjao_blog2/artigo.php</small><span class='ajax_close'></span></div>

Mãe e namorada suspeitas de torturar e matar criança de 3 anos são agredidas por outras presas

2019-11-30 17:40:00, Por: Sergio Marcos

Mãe e namorada suspeitas de torturar e matar criança de 3 anos são agredidas por outras presas

Fabíola Pinheiro Bracelar, 22 anos, e Luana Marques Fernandes, de 25 anos, são suspeitas de matar menino de 3 anos

As duas mulheres presas suspeitas de matar Davi Gustavo Marques de Souza, de 3 anos, no município de Nova Marilândia, a 261 km de Cuiabá, foram agredidas por outras detentas, na Penitenciária Feminina Ana Maria do Couto May, em Cuiabá, nesta sexta-feira (29).


A mãe da criança, Luana Marques Fernandes, de 25 anos, e a namorada dela, Fabíola Pinheiro Bracelar, de 22, foram presas na terça-feira (26), pelo crime de tortura qualificada e homicídio.


De acordo com a Secretaria Estadual de Segurança Pública (Sesp), elas estão na ala destinada a reeducandas que cometeram crimes semelhantes, porém duas delas estavam mais alteradas e começaram a agredi-las.

Durante a agressão, a equipe de agentes penitenciárias de plantão interveio.


As mulheres ficaram com hematomas no rosto e foram levadas para o registro de boletim de ocorrência, atendimento médico e realização de corpo delito.
Além disso, a direção da unidade já separou as duas detentas que iniciaram a agressão.

Mãe e namorada suspeitas de torturar e matar criança de 3 anos são agredidas por outras presas

Davi Gustavo Marques de Souza, de 3 anos, foi levado morto a hospital

A morte
 
Segundo a polícia, Davi Gustavo chegou morto ao Pronto Atendimento de Nova Marilândia.


A polícia foi chamada depois que os médicos encontraram hematomas no corpo da criança e sinais de maus-tratos.
Fabiola teria levado o menino até o hospital e saído deixando a criança com os médicos.

Familiares da criança relataram, depois da morte, que o menino sofria maus-tratos e era espancado. Em outra ocasião, Fabiola já teria atropelado o menino, que teve a perna e costelas quebradas.


O laudo médico apontou como causa da morte espancamento e esmagamento, uma vez que, além das lesões externas, foram identificados vários pontos de hemorragia interna na região do abdômen da criança.

CTR Craíbas