tera, 10 de dezembro de 2019. 00:31
<div class='trigger trigger_error'><b>Erro na Linha: #30 ::</b> Undefined variable: Pos<br><small>/home/serjaobl/public_html/themes/serjao_blog2/artigo.php</small><span class='ajax_close'></span></div>

Para manter namoro, mãe ajudava padrasto a estuprar filha de 13 anos

2019-11-20 16:16:00, Por: Sergio Marcos

Para manter namoro, mãe ajudava padrasto a estuprar filha de 13 anos

Foto:Divulgação

Uma mulher de 33 anos foi presa suspeita de permitir que uma de suas filhas, de 13 anos, fosse vítima de estupros praticados pelo padrasto, que é procurado pela polícia. O caso aconteceu no interior do Amazonas, em Maués, a 276 km de Manaus. A menina, abusada por cinco anos, foi obrigada a tatuar o nome do suspeito no braço.


À equipe do Conselho Tutelar da cidade, a vítima contou que era violentada desde os oito anos de idade - com o consentimento da própria mãe. Segundo relato, ela foi "entregue" ao padrasto para que ele aceitasse reatar o relacionamento com a presa.

"Ela [menina] conta que a mãe teve um outro relacionamento sem o padrasto saber. Quando ela pediu pra voltar, ele perguntou o que "ganharia com isso", ela disse que "qualquer coisa". Então, ele pediu a criança. Na época, ela tinha oito anos. Na primeira vez que ele foi cometer o abuso, a mãe a segurou pelos braços e ajudou a tampar a boca dela", detalhou o conselheiro tutelar Vanderval Moreira ao G1.
 

Participação 'ativa' da mãe
 
Segundo o comandante da Polícia Militar que atua na cidade, capitão Orlando Santos, a mãe, segundo investigações, e com base no depoimento da menina, estava presente em todas as vezes que o padastro cometia os estupros. Ela ajudava a segurar a menina.
"Ela tem a tatuagem com o nome do padastro escrito no braço. Obrigada pela mãe. E todas as vezes que ele ia estuprar ela, a mãe estava lá. Segurava ela", complementa ao comentar o caso.
 

Outros filhos

Para manter namoro, mãe ajudava padrasto a estuprar filha de 13 anos

Foto:Divulgação

Dois outros filhos da mulher, de um e quatro anos de idade, foram acompanhados pelo Conselho Tutelar e por profissionais do Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas). Eles passarão por exames.


Uma outra filha, de 11 anos, mora em Manaus e pode ser submetida, também, a exames caso a família queira, afirmou o conselheiro. Ela estaria "na mira" do casal, segundo a Polícia Militar.


A mulher foi indiciada por estupro de vulnerável por não ter acionado a polícia, ao tomar conhecimento dos abusos. Um Inquérito Policial (IP) foi instaurado para apurar se os outros dois filhos do casal também eram vítimas de abusos sexuais. Informamos que as diligências irão continuar com o intuito de localizar o padrasto da garota.

CTR Craíbas