sbado, 20 de julho de 2019. 20:54
<div class='trigger trigger_error'><b>Erro na Linha: #30 ::</b> Undefined variable: Pos<br><small>/home/serjaobl/public_html/themes/serjao_blog2/artigo.php</small><span class='ajax_close'></span></div>

Sítio no ABC é reformado para suposta prisão domiciliar de Lula

2019-03-25 10:45:00, Por: Sergio Marcos

Sítio no ABC é reformado para suposta prisão domiciliar de Lula

O terreno preparado tem cerca de 20 mil m², área de lazer completa e campo de futebol.

A Prefeitura de São Bernardo do Campo autorizou o início da realização de obras em um sítio pertencente à família do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, localizado às margens da represa Billings.

As informações são da Coluna do Estadão, no jornal O Estado de São Paulo.

A reforma e modernização do local, segundo a coluna, têm como objetivo preparar a propriedade e deixá-la à disposição de Lula caso um eventual pedido de prisão domiciliar da defesa do ex-presidente seja aceito pelo STF (Supremo Tribunal Federal).


A licença para as obras foi assinada pelo prefeito Orlando Morando (PSDB), na semana passada. O terreno, segundo a coluna, tem cerca de 20 mil m², com área de lazer completa e campo de futebol.

CONDENAÇÕES

Lula foi condenado pela juíza federal Gabriela Hardt, da 13ª Vara Federal de Curitiba, a 12 anos e 11 meses de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro na ação que envolve o sítio Santa Bárbara, em Atibaia.

O ex-presidente foi condenado pelo suposto recebimento de R$ 1 milhão em propinas referentes às reformas do imóvel que, segundo a sentença, foram custeadas pelas empreiteiras OAS, Odebrecht e Schahin. A propriedade está em nome de Fernando Bittar, filho do amigo de Lula e ex-prefeito de Campinas, Jacó Bittar.

O ex-presidente já cumpre pena de 12 anos e um mês de prisão no caso triplex, em ‘sala especial’, na sede da Polícia Federal do Paraná, em Curitiba, desde 7 abril de 2018, por decisão do TRF (Tribunal Regional Federal) da 4ª Região. Em primeira instância ele havia sido condenado pelo então juiz Sergio Moro a nove anos e seis meses pelo caso do triplex.

 

CTR Craíbas