segunda, 27 de maio de 2019. 00:29
<div class='trigger trigger_error'><b>Erro na Linha: #30 ::</b> Undefined variable: Pos<br><small>/home/serjaobl/public_html/themes/serjao_blog2/artigo.php</small><span class='ajax_close'></span></div>

#Verificamos: É falso que Papa Francisco cancelou a Bíblia e propôs criar novo livro

2019-04-26 08:22:00, Por: Sergio Marcos

#Verificamos: É falso que Papa Francisco cancelou a Bíblia e propôs criar novo livro

Foto: Papa Francisco

Circula pelas redes sociais a “informação” de que o papa Francisco, líder mundial da Igreja Católica, determinou o cancelamento da Bíblia. O pontífice teria tomado essa decisão por achar as escrituras desatualizadas. Seu objetivo seria criar um novo livro sagrado, provisoriamente batizado como Bíblia 2000. Por meio do projeto de verificação de notícias, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa:

“Papa Francisco cancela a Bíblia e propõe criar um novo livro”Frase de post que, até as 16h30 o dia 25 de abril de 2019, tinha sido compartilhado mais de 7,5 mil vezes no Facebook

FALSO

A afirmação é falsa. De acordo com o Vatican News, órgão oficial do Vaticano procurado pela Lupa, trata-se de uma notícia falsa, reciclada e importada dos Estados Unidos. Versões semelhantes do mesmo texto já foram checadas lá fora pelos sites Snopes e Politifact

O texto que fala sobre o cancelamento da Bíblia foi publicado originalmente no site humorístico There Is News.com em 2 de abril de 2018. A versão disponível no Facebook é uma tradução literal, mas que não cita a fonte. Logo no final do texto, o There Is News avisa que todo o conteúdo de suas postagens se trata de ficção. Há inclusive um link para uma área do site que explica que nada do que está ali corresponde à realidade.

Esta verificação foi feita também pelo site Aos Fatos.

Nota: esta reportagem faz parte do projeto de verificação de notíciasno Facebook. Dúvidas sobre o projeto? Entre em contato direto com o Facebook.

Editado por:Natália Leal e Chico Marés

CTR Craíbas