sbado, 20 de julho de 2019. 20:56
<div class='trigger trigger_error'><b>Erro na Linha: #30 ::</b> Undefined variable: Pos<br><small>/home/serjaobl/public_html/themes/serjao_blog2/artigo.php</small><span class='ajax_close'></span></div>

WWF -Brasil e a preservação ambiental

2019-03-04 22:58:00, Por: Sergio Marcos

WWF -Brasile a preservação ambiental

Foto: Divulgação


A Fundação para a Conservação e a Produção Florestal do Estado de São Paulo, ou Fundação Florestal, órgão vinculado à Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente do Estado de São Paulo, e o WWF-Brasil, organização da sociedade civil sem fins lucrativos comprometida com a conservação da natureza dentro do contexto social e econômico brasileiro, firmaram um acordo de cooperação técnica para garantir maior divulgação das ações de conservação da biodiversidade no Estado de São Paulo.

O objetivo do acordo é preservar, valorizar e fomentar ações em Unidades de Conservação sob gestão da Fundação Florestal, distribuídas pelas regiões do interior de São Paulo, Região Metropolitana, vales do Paraíba e do Ribeira e região costeira, incluindo a da Serra do Mar.

Unidades de Conservação são áreas naturais legalmente protegidas que possuem características específicas, como a presença de nascentes de água e de rica biodiversidade. A Fundação Florestal é responsável pela gestão de 102 Unidades de Conservação, que correspondem a 18% do território Paulista. Além dessas áreas, existem ainda 47 Reservas Particulares do Patrimônio Natural, as RPPN, que somam mais de 17 mil hectares de áreas protegidas no Estado de São Paulo.

Entre as ações previstas estão a promoção do uso público nos Parques Estaduais, principalmente os que integram a ecorregião da Serra do Mar, por meio da implantação do “Movimento Borandá” e do projeto “Caminho da Mata Atlântica”, promovidos pelo WWF-Brasil.

Também se buscará o fortalecimento e proteção da Área de Proteção Ambiental (APA) Marinha Litoral Norte por meio da promoção do turismo sustentável e da conservação dos recursos pesqueiros. O apoio na conservação de espécies como a onça-pintada (Panthera onca), muriqui (Brachyteles arachnoides), mico-leão-da-cara-preta (Leontopithe cus caissara), entre outras, é uma das prioridades da parceria. As instituições também atuarão em conjunto para articular a criação de novos corredores ecológicos dentro do Estado.

De acordo com o Diretor Executivo da Fundação Florestal, Rodrigo Levkovicz “Essa parceria é muito importante por associar o nome da Fundação Florestal, ainda pouco conhecido do grande público brasileiro, a uma marca forte como a WWF-Brasil. A atual administração pretende estabelecer parcerias estratégicas como essa para estimular o uso público das Unidades de Conservação, cada uma delas com características próprias que atendem a interesses diversos. Acreditamos que ações de estímulo à vocação turística dos parques podem incrementar as economias locais. Esperamos com isso, dar continuidade a um trabalho sólido e consistente de uso sustentável das áreas protegidas sob gestão da Fundação”.

A Mata Atlântica ocupa a maior parte do território do Estado de São Paulo e fornece água para milhões de pessoas, ao mesmo tempo em que é um dos biomas mais ameaçados e degradados do mundo. “São Paulo tem um dos maiores remanescentes contínuos de Mata Atlântica do Brasil, abrigando também muitas comunidades tradicionais que preservam a história, a cultura e o meio ambiente por meio do uso sustentável dos recursos naturais. As Unidades de Conservação administradas pela Fundação Florestal oferecem a alternativa mais acessível de lazer ao ar livre para milhares de pessoas que vivem nas cidades e buscam uma aproximação com a natureza. Além disso, a região viveu uma das piores secas nos últimos anos, e são essas áreas especialmente protegidas que irão garantir grande parte do fornecimento de água para os grandes centros urbanos. Desta forma, é com grande alegria que damos continuidade a nossa parceria com a Fundação, pois é somente através de alianças que vamos conseguir construir juntos um futuro melhor, unindo conservação e desenvolvimento”, afirma Anna Carolina Lobo, Gerente do Programa Mata Atlântica e Marinho do WWF-Brasil.

CTR Craíbas